Setor cresceu 83% se comparado ao ano passado

A geração distribuída a partir de fontes renováveis no Brasil, chamada de microgeração e minigeração distribuída, acaba de ultrapassar a marca histórica de 100 megawatts (MW) instalados. Segundo dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) os sistemas solares fotovoltaicos instalados em residências, comércios, indústrias, prédios públicos e na zona rural já representam mais de 99% destas instalações de microgeração e minigeração distribuída no país.

O Brasil possui atualmente 8.931 sistemas conectados à rede, que proporcionam economia na conta de luz dos consumidores e beneficiam um total de 9.919 unidades consumidoras espalhadas pelo território nacional. Dos 100 MW instalados, 67,7 MW são provenientes da fonte solar fotovoltaica, totalizando 8.832 sistemas, que representam mais de R$ 540 milhões em investimentos no país.

O potencial técnico da geração distribuída solar fotovoltaica, já parcialmente mapeado pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), representa mais de 164 gigawatts (GW) considerando apenas os telhados de residências. De acordo com o Ministério de Minas e Energia (MME) O número de novas instalações no mesmo período do ano passado era de 612 projetos, o que representa um crescimento de 83%.

Dentre as unidades consumidoras beneficiadas por sistemas solares fotovoltaicos a maior parcela é de residências, que representam 77,5% do total, seguida de comércios (17%), indústrias (2,2%), consumidores rurais (1,8%) e consumidores do poder público, incluindo iluminação e serviço público (1,5% no total). Já a classificação por estados ressalta que Minas Gerais lidera o ranking, com 1.888 pontos de microgeração, seguindo por São Paulo com 1.672, Rio Grande do Sul com 944 e Rio de Janeiro com 783.

Neste contexto é que acontece a segunda edição do Congresso Brasileiro de Geração Distribuída (CBGD), previsto para os dias 25 e 26 de outubro em Fortaleza, no Ceará. Organizado pelo Grupo FRG Mídias & Eventos em parceria com a Associação Brasileira de Geração Distribuída (ABGD), o evento pretende disseminar ainda mais as fontes limpas e renováveis na matriz energética brasileira e discutir o atual cenário da Geração Distribuída no país.

Fonte: Thayssen Carvalho – Biomassa BR

Send this to a friend