Expressa Comunicação para Smart Energy

Evento contou com assinatura de novas parcerias e cases na área de energia

A Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti) e o Tecpar lançaram na quarta-feira, 17, em Curitiba, a segunda edição da Revista Smart Energy, que tem como tema o Mercado de Energia. O periódico faz parte de ações de comunicação do projeto Smart Energy – um dos primeiros do país que busca debater as energias renováveis e inteligentes. Durante o evento, foi assinado o protocolo de intenções entre o Tecpar e a Unilivre (Universidade Livre do Meio Ambiente) para desenvolver a Incubação Verde – nome dado a iniciativa com o objetivo de agregar atividades relacionadas a tecnologias sustentáveis. Também houve palestra sobre o estudo “Inventário de Gases de Efeito Estufa (GEE)” e cases sobre uso de energias.

Na abertura, o Secretário da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, João Carlos Gomes destacou a importância do Projeto Smart Energy Paraná (PSE Paraná), que faz parte do Programa Paraná Inovador, criado pela Seti. “É preciso desenvolver competências locais e educar a sociedade nessas novas tecnologias. No Paraná, temos essa oportunidade e esse contexto precisa ser bem aproveitado”, afirmou o secretário João Carlos Gomes.

O diretor-presidente do Tecpar, Júlio C. Felix, fez um retrospecto sobre a criação do Projeto Smart Energy Paraná, instituído pelo decreto 8.842/13. O PSE Paraná envolve Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I); Empreendedorismo, Produção Industrial e comercialização, uso e disseminação de novas tecnologias. O projeto envolve cinco áreas de atuação principais como Academia (universidades e institutos de pesquisa), Governo, Indústria, Cenário Nacional e Internacional e Mercado Consumidor, tendo por finalidade a governança em transição de energia; integração e conectividade do setor público, setor empresarial e academia; promoção da mobilização da sociedade em energias inteligentes e fomento do desenvolvimento territorial e socioeconômico. “Esse é um projeto da sociedade, que trará benefícios para todos, por isso, necessita do apoio e envolvimento de todos os atores do setor. Temos recebido o apoio das universidades e das instituições organizadas, mas há muito por fazer. Quanto mais unirmos força, mais iremos atrair investimentos e melhorias para o Estado neste setor”, disse.

Durante o evento também ocorreu a assinatura do protocolo de intenções entre a Universidade Livre do Meio Ambiente (Unilivre) e o Tecpar para a criação do programa Incubação Verde – que funcionará na Unilivre e que irá fomentar e colaborar na criação de negócios inovadores com tecnologias sustentáveis. “O objetivo é incentivar e disseminar as tecnologias verdes realizando atividades em conjunto”, explicou o diretor-superintendente da Unilivre, Celso Romero Kloss. “Nós já temos algumas novidades para apresentar. Em breve, por essa parceria será realizado o Seminário de Patentes Verdes e já temos duas empresas para incubar: uma do Paraná e outra de São Paulo”, anunciou.

IMG_1050

Cases de mercado
Na segunda parte do evento foram apresentados “cases” ligados a energias inteligentes. O diretor da comercializadora Copel Energia, Franklin Miguel, apresentou a empresa e a sua proposta para o mercado livre de energia. Ele explicou que grandes consumidores de energia podem se beneficiar com a compra de energia no mercado livre e economizar. “Temos um serviço de confiança da marca Copel, prestamos consultoria que auxilia o cliente a descobrir qual a duração mais adequada de um contrato, o melhor momento para comprar novamente a energia e como calcular o consumo para não errar na quantidade na hora da compra”, afirmou.

Os Institutos Lactec são um exemplo de empresa que aderiram ao mercado livre de energia. A experiência foi apresentada por Fábio Dib dos Institutos Lactec, que recebeu a consultoria e orientação da Copel Energia.

As CGHs – Centrais Geradoras Hidrelétricas também foram enfocadas no evento, apresentando a geração distribuída por fontes de energias renováveis como uma alternativa viável e complementar à matriz elétrica brasileira. O diretor executivo da Vetorlog, Marcelo Otte, representando a ABRAPCH (Associação Brasileira de PCH e CGH), apresentou as vantagens de uso da tecnologia na gestão das CGHs, entre elas: economia, monitoramento contínuo de créditos e consumo, previsão antecipada da fatura e de créditos, e ajustes na operação conforme geração. Como resultado, ele salientou que pode haver mais de 30% de faturamento com o uso do gerador e para o consumidor, uma economia de 15% nas faturas.

Revista e Portal Smart Energy
Os interessados em obter exemplares da segunda edição da revista Smart Energy, com o tema O Mercado de Energia, pode enviar e-mail para: smartenergy@smartenergy.org.br. A revista tem circulação trimestral e traz entrevistas com diversos especialistas do setor, explicando os últimos avanços, novidades e regulamentações do governo. O Projeto Smart Energy Paraná também conta com um portal atualizado diariamente com notícias do setor. O portal pode ser acessado pelo endereço www.smartenergy.org.br.

Sobre o Projeto Smart Energy
O Smart Energy Paraná (PSE Paraná) é vinculado ao Programa Paraná Inovador da Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti). O presidente do projeto é o Secretário da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (João Carlos Gomes) e a Secretaria Executiva é representada pelo Tecpar, sendo Júlio C. Felix, o secretário executivo do projeto. Atualmente, o comitê gestor é composto pelas seguintes instituições: o Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar), a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti), a Secretaria de Estado do Planejamento e Coordenação Geral, Copel, Itaipu Binacional, Institutos Lactec, Federação das Indústrias do Estado do Paraná, Compagas, Elco, Universidade Estadual de Ponta Grossa, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Universidade Federal do Paraná, Universidade Tecnológica Federal do Paraná e Pontifícia Universidade Católica do Paraná.

Send this to a friend