O Brasil ocupa o 9º lugar no mundo em oferta de geração de energia eólica e tem capacidade de expansão desde que haja investimentos no setor.

A avaliação foi feita pelo deputado José Rocha (PR-BA), que solicitou audiência pública na Comissão de Minas e Energia que discutiu o tema nesta quarta-feira (17).

De acordo com o deputado, o programa é “tímido” e precisa avançar. “Nós temos 7% de energia gerada no País que é eólica, um percentual considerado bastante baixo; no Nordeste, 50% da energia gerada é eólica; a Bahia é o segundo gerador ,com 6.2 bilhões de megawatts em 2016″, informou.

Na audiência, o parlamentar e representantes do setor cobraram a continuidade da construção de novas linhas de transmissão e a realização de novos leilões de energia no País. Esses leilões só são realizados se comprovada, por meio de estudos, a necessidade de energia nova a ser comprada. Com a crise econômica brasileira, não há demanda de compra.

Leilões
Segundo o secretário-adjunto de Planejamento e Desenvolvimento Energético do Ministério de Minas e Energia, Moacir Bertol, a capacidade eólica está se expandindo significativamente no País. Ele destacou a expectativa de leilão de energia nova e informou que está em andamento a elaboração do Plano Decenal de Expansão de Energia, referente aos anos de 2017 a 2026.

Bertol disse que o plano vai sinalizar o crescimento e a oferta necessária para atender o mercado e, então, definir a necessidade de leilões para a contratação de energia de todas as fontes.

“É preciso que sejam feitas todas as avaliações da prospecção do mercado, esse crescimento e essa necessidade de energia. Esperamos que o País volte a crescer para que haja necessidade no tempo necessário.”

Empregos
Superintendente de Promoção do Investimento da Secretaria de Desenvolvimento Econômico da Bahia, Paulo Guimarães relatou que o estado é hoje líder de projetos vendidos em leilões de energia, com investimentos que podem ultrapassar R$ 21 bilhões. Ele ressaltou que já foram criados cerca de 26 mil empregos no estado com a implantação de parques eólicos e disse esperar que os leilões voltem no próximo ano.

“Se houver uma constância nos leilões, aí você vai ter uma constância no número de geração de empregos. A expectativa com aqueles 5.700 megawatts já comercializados na Bahia é que venham a gerar 86 mil empregos, a maior parte deles na região do semi-árido.”

Foto: Billy Boss/Câmara dos Deputados
Fonte: Câmara dos Deputados

Send this to a friend