Biomassa

A biomassa é o recurso renovável oriundo de matéria orgânica, de origem animal ou vegetal, que pode ser utilizada para a produção de energia. Ela pode ser proveniente de produtos e resíduos agropecuários, da floresta (madeira e folhas), da cana-de-açúcar, de dejetos animais e do lixo orgânico produzidos nas cidades, bem como da fração biodegradável dos resíduos e efluentes industriais e esgotos urbanos.

A produção de energia a partir da biomassa tem como vantagem ser renovável, permitir o reaproveitamento de resíduos e ser menos poluente que outras formas de energia, como aquela obtida de combustíveis fósseis. Tal produção envolve processos físicos, químicos e biológicos, como a queima de lenha e produção de etanol. Como todo processo de combustão, a queima de biomassa libera dióxido de carbono (CO2) na atmosfera; porém, como esse composto é previamente absorvido pelas plantas e pelos animais que deram origem ao combustível, o balanço de emissões de CO2 é reduzido, podendo chegar a ser nulo.

BIOMASSA SÓLIDA

A biomassa sólida se transforma em energia por meio da queima de matéria-prima. Pode ter como fontes, por exemplo, resíduos florestais, lenha, palha, bagaço de cana-de-açúcar e casca de arroz. No Brasil, o bagaço de cana-de-açúcar é a fonte mais utilizada na geração de energia por meio de biomassa sólida, seguida de lenha e carvão vegetal.

As principais tecnologias de aproveitamento energético da biomassa sólida são:

  • Combustão direta: para fins energéticos, a combustão direta ocorre essencialmente em fogões, fornos e caldeiras. A queima produz calor, que esquenta a água e alimenta uma turbina para a geração de energia.
  • Gaseificação: é um processo de conversão de combustíveis sólidos em gasosos, por meio de reações termoquímicas, envolvendo vapor quente e ar (ou oxigênio) em quantidades inferiores ao mínimo necessário para a combustão. Há vários tipos de gaseificadores, com grandes diferenças de temperatura e/ou pressão.
  • Pirólise: também conhecido como carbonização, é o mais simples e mais antigo processo de conversão de um combustível (lenha ou bagaço de cana, por exemplo) em outro de melhor qualidade e conteúdo energético, como o carvão vegetal. Na pirólise, o material original é superaquecido sem a presença de ar até que o produto final seja retirado. Esse produto (carvão) tem uma densidade energética duas vezes maior que aquela do material de origem e queima em temperaturas muito mais elevadas.

Referência Bibliográfica: GIZ no Brasil